Carregando pesquisa personalizada...
/ noticias / Saude
Sexta-Feira, 12 de Julho de 2013 às 14h44

Tumor cerebral nem sempre é fatal, mas precisa de diagnóstico precoce para melhores chances de cura

Neurocirurgião funcional alerta para o aumento do número de casos da doença e reforça a importância do diagnóstico precoce
Site: www.claudiocorrea.com.br
Tamanho da Fonte
+  -

Embora represente apenas 2% do conjunto de casos da doença, o tumor cerebral vem sofrendo um aumento do número de casos, especialmente pelo envelhecimento da população. A doença é altamente incapacitante e, por ser pouco divulgada e ter alguns sintomas semelhantes aos de outras enfermidades, seu diagnóstico pode ser dificultado, interferindo de forma significante no tratamento do paciente.

Segundo o Dr. Claudio Fernandes Corrêa, mestre neurocirurgião pela Escola Paulista de Medicina (UNIFESP), o paciente, ao confundir uma dor de cabeça persistente, por exemplo, pode retardar o real diagnóstico do problema. “É preciso estar atento a quadros de cefaleia (principalmente pela manhã), vômitos em jato, perda de coordenação motora, tontura, perda de visão, perda de audição, dor no rosto, perda de força em um lado do corpo e alteração da sensibilidade em partes do corpo”, alerta.

Contudo, Dr. Claudio diz que não é preciso pânico e correr ao médico ao aparecimento da primeira dor de cabeça. “Os sintomas devem ser observados em sua frequência, persistência, especialmente sem motivos aparentes que possam estar relacionados, para então se procurar a orientação de um neurologista”.

Além do exame clínico e histórico dos sintomas, o médico deverá solicitar exames de imagem como tomografia computadorizada, ressonância magnética e eletroencefalograma para confirmar qualquer hipótese diagnóstica.

“O simples diagnóstico do câncer cerebral não representa o fim. Existem diversos tipos de tumor, os quais a medicina consegue atuar de forma individualizada, com medicações menos agressivas e processos cirúrgicos menos invasivos e mais seguros para a cura e a qualidade de vida”, relata o profissional.

O procedimento cirúrgico pode ser precedido por uma biópsia da área cerebral comprometida, possibilitando, quando necessário, uma abordagem cirúrgica mais ou menos ampla, decisão que será tomada levando-se em conta o volume do tumor, sua localização e sua histologia, ampliando desta forma as chances de cura da doença.  

 

Dr. Claudio Corrêa explica que a neurocirurgia atua ressecando o tumor, podendo ser guiada por estereotaxia ou neuronavegação, métodos que ampliam a precisão dos procedimentos e redução das complicações operatórias. Nesse caso, o cirurgião mapeia o volume tumoral e, através de cálculos físicos e matemáticos promove a sua ressecção com a menor morbidade, evitando danos em áreas normais adjacentes ao tumor.

“Um dos mais eficientes métodos de tratamento dos tumores malignos é a Braquiterapia, especialmente nos casos de recidiva (volta da doença). A técnica, que pode durar de duas a quatro semanas, é à base de isótopos implantados no interior do tumor, utilizando baixa taxa de radiação, distribuída contínua e uniformemente de acordo com o planejamento físico. Os isótopos utilizados (o Iodo-125 é o mais apropriado) são importados por clínicas radiológicas em conformidade com a legislação (Conselho Nacional de Energia Nuclear)”, complementa.

Dependendo do tipo do tumor, ainda que maligno, e da fase em que ele foi diagnosticado, é possível prolongar a sobrevida do paciente entre 8 a 18 meses, e em alguns casos até mesmo curá-lo. Nos tumores benignos a recidiva é rara.

Por último, é importante pontuar que a doença, por si só, é completamente invasiva e muda, física, social e psicologicamente a vida do doente, sendo necessário que ele receba um tratamento multiprofissional, onde se insere também, além do neurologista, neurocirurgião e oncologista, psicólogos, fisiatras e fisioterapeutas, entre outros. Além deles, a ajuda dos familiares soma ao processo de recuperação.

Saiba mais sobre o câncer cerebral:

O câncer cerebral é consequência da multiplicação desordenada das células no interior da caixa craniana. Os tumores podem ser originários das células do próprio cérebro (chamados de tumores de células gliais); originários das membranas que recobrem o cérebro (tumores das meninges ou meningeomas); surgirem das bainhas dos nervos (neuromas ou neurinomas); ou serem originários de outros órgãos ou tecidos que podem se disseminar pelo sangue (tumores metastáticos).

Apesar de inúmeros estudos relacionarem alguns fatores potenciais às causas para o desenvolvimento do tumor, tais como a má alimentação, uso de determinados medicamentos e exposição a substâncias químicas, a doença geralmente não possui uma causa única para o seu surgimento. Outra razão provável de tumores são as radiações usadas para tratar os próprios tumores, mas que podem levar ao surgimento de outros. Algumas substâncias químicas também foram apontadas como prováveis indutoras de câncer cerebral, porém sem comprovação exata.

Publicidade
Publicidade

mais sobre Saude

15h42 - 29/07/2014
14h27 - 24/07/2014
O MS destinou R$ 27,6 milhões para custeio das ações da área de Média e Alta Complexidade (MAC) de 53 cidades de 17 estados. O objetivo do reforço orçamentário é ampliar o atendimento prestado à população na rede pública e conveniada SUS.
09h23 - 24/07/2014
10h57 - 11/07/2014
03h46 - 02/07/2014
A simples presença da palavra “integral” não significa que o alimento é 100% integral.
Selecione um idioma:
publicidade

© 2001 - 2014. Todos os direitos reservados ao Portal do Maranhão
Portal do Maranhão - O Maranhão é Nóticia Aqui